sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

VIDA EQUILIBRADA

Essa parece ser uma meta bem comum, nessa virada de ano ouvi inúmeras pessoas falarem que em 2010 gostariam de ter uma vida equilibrada ou, mais especificamente, pessoas que gostariam de ter uma vida financeira equilibrada.
Vez por outra alguém me lembra que eu devo buscar o equilíbrio, principalmente em discussões. Parece-me até que esta é a saída para qualquer discussão, quando não temos mais nenhum argumento, esse argumento sempre cola, e todos concordam: _ Precisamos buscar o equilíbrio das coisas. Quem fala parte do que ele compreende como o que é esse ponto de equilíbrio, e quem ouve pensa a partir da sua compreensão, por isso sempre dá certo. Quando você não tiver mais nenhum argumento fale isso. (Lembrei de um professor meu de psicologia, ele sempre fala isso).

Quando passei a perceber a beleza da vida comecei a desconfiar desse tipo de desejo. Como afirmar que passei pela vida e não cometi exageros? Como viver sem lutar por uma ideologia ou acreditar com todas as forças que vou alcançar uma utopia? O que seria a vida sem os altos e baixos, sem quebrar a cara por errar feio. O que seria dessa vida sem aquela noite que você ultrapassou todos os limites, mas que pela manhã acordou ao lado da pessoa que você ama?
O que seria a vida se os Joaquins Soares da Cunha não morressem para deixar nascer os Quincas Berro D’água? Ou se Ojuara, o grande herói do Sertão, nunca deixasse de ser Araújo? Ou se  Riobaldo e Diadorin ouvissem esse tipo conselho e decidissem viver uma vida equilibrada.

Mas o que é mesmo esse troço de equilíbrio? Pensei num garotinho que tinha nas mãos uma tábua comprida e sobre esta tábua corria uma bolinha, a bolinha corria de um lado para o outro, até que o menino conseguiu equilibrar a bola e esta ficou paradinha no centro da tábua, não contente com seu feito, a criança tratou de desequilibrar novamente a bolinha para que a brincadeira continuasse.
A beleza da brincadeira assim como a beleza da vida está enquanto a bolinha corre de um lado para o outro. Vida é movimento, equilíbrio é o inverso disso.

Se uma vida equilibrada é estudar a metade da vida, conseguir um bom emprego, trabalhar com afinco para se estabelecer no emprego, trabalhar para casar, depois para ter filhos, depois para conseguir uma promoção, proporcionar garantias aos filhos e finalmente garantir uma aposentadoria tranqüila e equilibrada. Vender a vida para o sistema e depois da aposentadoria tentar vivê-la. Boa Sorte! Optei por outros caminhos!

5 comentários:

Suely disse...

Ola....amigo...do coração...realmente...disse um professor ...de teologia do MTC.Não existe essa coisa de equilibrio..quando vc busca esse coisa de equilibrio..é feito vc está sendo buchado..por duas pontas da corda....vc está propicio e de um lado ou para o outro.Onde a corda..for mais forte.Ele dizia "você tem que sabe o que você quer da vida, e para onde quer ir" E dai lutar para chegar.
Valeu..gostei...xero.

Ana Paula Duarte disse...

A gente vive buscando esse equilíbrio...yin yang...!
Mas acho q o equilíbrio está em entender que a vida tem alegrias e tristezas e que esta equação faz parte da fórmula da falicidade(se é que ela existe de fato).
É óbviu que viver no quilíbrio é chato...Sou compostas de exageros, bom mesmo é andar na corda bamba...Mas ahverá o dia em que ela já não me causará adrenalina.
Lindaa postageem, beijos!

Elisângela disse...

Poxa menino!Achei fantástica a forma como descreveu o que venha a ser esse tal equilibrio que tanto buscamos.Gostei mesmo viu!
Parabéns!!!nossa como o quilibrio é chato!kkkkkkkkkkk!!!xerOOO.

Bel disse...

Oi, apesar de ser adepta ao "discursivamente correto" equilibria, quase uma ciência, não?
Concordo com os exageros com proporções de calmarias.

Como diz Bandeira em Poética

"Estou farto do lirismo comedido
Do lirismo bem comportado
Do lirismo funcionário público com livro de ponto espediente

(...)

- Não quero saber do lirismo que não é libertação."


Abraços!

Anônimo disse...

Então é estranho ver o menino tímido parcimonioso quase sem expressão sufocado pelos extremos egos que lhe pareavam na infância finalmente lançar vôo e solo!!! Tão distoante que até parece história que se lê em livro ou que só acontece na TV. Curioso perceber que na época do não-mostrar se formava um espírito rebelde quase iconoclasta. Jesus, Nietzsche, Raul, Drumond, Foucaut todos confluindo para o mesmo espírito, apenas por erro resultariam em equilíbrio, mas o que interessa se as vestes antigas foram queimadas? O novo o desequilíbrio o caminho... é isso!
Quem luta com monstros deve velar por que, ao fazê-lo, não se transforme também em monstro. E se tu olhares, durante muito tempo, para um abismo, o abismo também olha para dentro de ti.